segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Despedida

Olá leitores,

Temos a triste tarefa de anunciar que hoje encerramos este blog. Com o fim do semestre também chega ao fim nossa atividade (o blog) realizada para a disciplina de comunicação organizacional.

Após meses de informação transmitida para vocês leitores, a partir do conteúdo programático da matéria, podemos dizer que esta experiência foi, apesar de desafiadora, maravilhosa pois vencemos obstáculos e aprendemos muito com este projeto, fazendo deste mais um meio de comunicação.

Gostariamos de agradecer todos aqueles que acompanharam o blog dando opiniões, críticas e elogios, deixando claro que todos os comentários foram de grande auxílio para o desenvolvimento do nosso trabalho,tornando este uma tarefa gratificante e recompensadora.

Um grande abraço e até a próxima

Agência Purple

domingo, 6 de dezembro de 2009

Gerenciamento de Crises


Gerenciamento ou administração de crises é um recurso muito conhecido pelas organizações mas pouco usado. É muito importante que a empresa saiba controlar sua organização, principalmente em um momento de crise, não omitindo nenhuma informação de seus públicos.

Toda organização é vunerável a crise, segundo Rosa "[...] as crises só existem porque vivemos num mundo tão interligado que um problema que, em princípio, diria respeito apenas a uma empresa ou a uma comunidade distante pode adquirir imediatamente uma dimensão muito maior [...]" (ROSA, 2001, p.24)

Duas regras são importantes para que a organização esteja preparada para a crise. A prevenção é a primeira. Criar um comitê de gerenciamento de crise é a melhor forma de não ser pego desprevinido. A segunda é ainda mais simples: a ótima comunicação entre o ambiente interno externo da organização.

É necessário ainda que a empresa tenha um porta voz, pois é ele quem transmitirá as informações necessárias para a mídia. É importante monitorá-la e corrigir eventuais erros para que não haja novas crises.

Fontes:
http://www.comtexto.com.br/2convicomcomcomunicaCarolRodriguez.htm

Ana Paula Rubio

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Assessoria de Imprensa

A imprensa é um dos públicos das organizações que mais merece atenção e cuidado. O motivo é seu poder de influenciar a todos os outros públicos da organização, por isso manter um bom relacionamento com ela e essencial para a sobrevivência da organização. Assim como é uma ameaça, a imprensa pode ser benéfica se o bom relacionamento for estabelecido e mantido, ela pode ser uma grande aliada da organização.

Há vários princípios muito importantes no relacionamento com a imprensa. Tais como: a imprensa não trabalha para a organização; nada é notícia até ser transformado em tal; os jornais, rádios, revistas e televisão são empresas baseadas no marketing; o assessor de imprensa não esta no comando, ele sempre responde a alguém; o relacionamento entre imprensa e organização deve ser de mão dupla; não é bom ter amizade com jornalistas, pois bom amigo para eles é aquele que fornece boas informações; toda organização tem direito a privacidade; a ética, o respeito e o conhecimento dos veículos de informação são indispensáveis.

Os instrumentos utilizados pelo assessor de imprensa são release, sugestões de pauta, textos complementares, boletim de imprensa, entrevistas individuais, entrevistas coletivas, cobertura de eventos, encontros informais, mailing e o manual de imprensa.

A assessoria de imprensa é um trabalho um tanto quanto dinâmico e interessante. É uma profissão difícil, pois lidar com a imprensa pode ser um grande problema, mas se o profissional sabe o que esta fazendo e gosta, não terá grande dificuldade para desempenhar a função.

Por Camila Ramos

Fonte: aulas de Tecnicas de Relações Públicas

domingo, 29 de novembro de 2009

A Paz Nasce Dentro de Você

Caros leitores,

infeliz
mente, devido ao pouco tempo hábil para realização, o evento Um Dia Pela Paz foi cancelado. Ele será remanejado para o primeiro semestre de 2010, a fim de obter seu objetivo almejado, ou seja, o engajamento dos educadores em prol da disseminação da paz por intermédio das crianças. Apesar do cancelamento do evento, muitas pessoas ainda trabalham com o objetivo de fazer o mundo melhor de diferentes maneiras. Não podemos esquecer que a paz é o alicerce de um mundo melhor e é necessária semeá-la e propagá-la para um bem da nação. Abaixo um ensinamento de Dalai Lama nos faz refletir que começamos o bem para nós mesmos a partir de pesquenos atos.

"Se você quer transform
ar o mundo, experimente primeiro promover o seu aperfeiçoamento pessoal e realizar inovações no seu próprio interior. Estas atitudes se refletirão em mudanças positivas no seu ambiente familiar. Deste ponto em diante, as mudanças se expandirão em proporções cada vez maiores. Tudo o que fazemos produz efeito, causa algum impacto".

Que tal começá-los agora mesmo?

Para conhecer e ajudar a Associação PalavraViva na propagação da paz acesse: www.apv.org.br

Fontes:
http://www.dalailama.org.br/home/

Ana Paula Rubi0

sábado, 28 de novembro de 2009

Comunicação Organizacional e Coletivas de Imprensa

Dentro de uma empresa, temos várias formas de trabalhar a Comunicação Organizacional. Além de internet, intranet, jornais, revistas, podemos citar as coletivas de imprensa. Ela é um meio muito importante não só para a divulgação e esclarecimento de dúvidas, mas para o entrosamento com os jornalistas que estão escrevendo sobre a Entidade.
Para organizar uma Coletiva, é preciso muito empenho e visão de campo. O relações-públicas tem de saber quem chamar e já pensar no que podem perguntar. Geralmente é feito uma “peneira” com as perguntas, deixando o entrevista por dentro do assunto que ele vai falar.
Além disso, é importante que o profissional organize tudo da melhor forma possível, com atenção aos detalhes (Como tradutor, para coletivas com membros internacionais), porque tudo será avaliado, não só pelos jornalistas, mas também pelos próprios membros da sua equipe.
Em eventos desse tipo, nada pode sair errado. Tem de estar tudo planejado conforme a necessidade e público-alvo da empresa. O RP tem de assessorar os convidados, mantendo os confortáveis para perguntar o que lhes foi falado.

Caroline Sire

Fonte: Aulas de Comunicação Organizacional da Universidade Metodista de São Paulo

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

O VII Encontro de Relações Públicas

O VII Encontro de Relações Públicas é promovido pelos alunos do II semestre desse curso, da Universidade de São Paulo. Todos os anos o evento traz diferentes temas e novas abordagens na área de comunicação.

Este ano pela primeira vez terá uma versão matutina e uma noturna. Na primeira o assunto será “Comunicação em Cena: eventos e produção cultural como estratégias empresariais", na segunda "Comunicação Digital e Relações Públicas".

O programa terá grandes nomes como o Prof. Dr. Vinícius Romanini, Jeff Paiva e Carolina Terra que irão debater sobre as novas mídias e no mercado que se baseia nelas. E Tuca Figueira falara as Relações Públicas se Comunicação Digital.

Definitivamente este é um evento imperdível e por isso as vagas são limitadas, então se quer garantir seu lugar segue o link para mais informações.

http://www.eca.usp.br/erp/not/inscricoes/index.html


Fonte: http://www.eca.usp.br/erp/not/index.html


Camila Ramos

domingo, 22 de novembro de 2009

Twiter Corporativo Eficiente


Atualmente as empresas procuram estratégias para se destacar do mercado concorrente e não é segredo pra ninguém que a ferramenta mais eficaz é a comunicação.

O twiter virou um meio de comunicação muito difundido e se tornou algo popular e polêmico, afinal este possibilita a interação de todos que o possuem.

As organizações, afim de acompanhar todas as modernidades, também estão aderindo-o. Vale lembrar que como todos os outros meios, se não for planejado com antecedência o twiter pode ser um grande inimigo.

Antes de desenvolver um twiter para organização é necessário ter em mente para quem será direcionado, quais os assuntos serão abordados e qual será a reação dos leitores e o que a própria organização espera deste meio.

Fabio Seixas, sócio-fundador do Camiseteria.com
e responsável pelo twiter corporativo mais seguido do Brasil, dá dicas para as empresas não errarem quando o assunto for twiter. Estas aconselham a fazer do twiter um meio de Broadcast (informações e novidades) e de conversação, publicando conteúdos de qualidade e exclusivo, respondendo e seguindo todos aqueles que se interessam por sua página.

Todos estão conectados nesta idéia. O twiter é um meio interativo que possuem certa credibilidade no seu contexto, se usado com eficiência pode ser benéfico para imagem da empresa, estabelecendo uma conexão direta com seu público e ser financeiramente vantajoso.


Fontes:
Twiter Fábio Seixas: http://twitter.com/fseixas
Twiter Camiseteria: http://twitter.com/camiseteria
http://blog.fabioseixas.com.br/archives/2009/04/marcas_no_twitter_dicas_de_como_criar_e_manter_um_twitter_corporativo.html
http://www.hi-midia.com/2009/07/twitter-corporativo/
http://www.comremix.com.br/eu-tuito-tu-tuitas-e-ele-tuita-mas-quem-le

Ana Paula Rubio

sábado, 21 de novembro de 2009

Comunicação Organizacional e a Comunicação Interna

Alguns profissionais esquecem o quanto é importante manter seus funcionários motivados e informados. Um bom desempenho público, começa com iniciativas feitas para que seus trabalhadores estejam satisfeitos e felizes com a sua função.
Motivação no trabalho é importante para que as pessoas produzam com todo seu potencial e da melhor forma possível. Existem várias formas de se motivar uma pessoa, algumas são pela remuneração, outras por reconhecimento e elogios. Basta entender e compreender o que ela precisa naquele momento.
As empresas que investem nesse quesito, tornam-se mais fortes e bem vistas no mercado e pelo seu público alvo. Tronam-se exemplos de instituições e mantém seus funcionários satisfeitos com a sua função e reconhecimento.

Caroline Sire

Fonte: Aulas de Administração da Universidade Metodista de São Paulo

domingo, 15 de novembro de 2009

Networking

Networking é a união dos termos em inglês "Net", que significa "rede"; e "Working", que é "trabalhando". Networking em sua forma resumida, significa que quanto maior for a rede de contatos de uma pessoa, maior será a possibilidade dessa pessoa conseguir uma boa colocação profissional.
Pense em todas as pessoas que você conheceu ao longo da vida, seus colegas de escola, suas professoras, seu porteiro, entregador de pizza, pessoas em festas, seus chefes, seus colegas de trabalho, o homem no elevador...
No decorrer de nossas vidas, conhecemos inumeras pessoas, algumas passam em nossas vidas e tem um papel importantissimo, outras nem tanto. As vezes as aconselhamos e as vezes elas nos aconselham. No mercado de trabalho possuir um networking eh essêncial para se ter sucesso.

Porque se deve fazer networking?
- Para conhecer pessoas
- Para estabelecer relacionamentos
- Para receber telefonemas quando surgirem vagas e oportunidades de trabalho
- Para fazer perguntas e estabelecer credibilidade
- Para dizer às pessoas que está procurando por um emprego

Você precisa saber trabalhar sua rede de contatos e isso pode ser feito de várias formas:
- Ofereça ajuda sempre que possível.
- Apresente pessoas com interesses em comum.
- Compartilhe conhecimento.
- Indique um profissional de talento para seus contatos.

Faça parte do grupo de pessoas que sabe para onde está indo. Há uma série de ações que te levam na direção do sucesso. Saber como se faz networking de forma profissional é uma delas.

Fonte: http://www.universia.com.br/nextwave/ver_materia.jsp?materia=182&subcanal=9

Bruno Evangelista

sábado, 14 de novembro de 2009

Estratégias de Comunicação

Estratégias para uma boa comunicação em Empresas começam com a contratação de um profissional que se encarregue de planejar o caminho certo para chegar até o alvo desejado. Algumas vezes ele é designado pela quantidade de produtos vendidos outras somente pela procura.

Uma das estratégias mais importantes é o direcionamento do relacionamento entre empresa e público. Esse que mantém e aprecia todas as novidades divulgadas para a mídia. O profissional que acompanha essa área tem de estar pronto para qualquer tipo de situação. Ele precisa ter uma mente criativa para solucionar os problemas que o público impõe.

É importante que o RP saiba usar as ferramentas de comunicação a seu favor, manipulando-as para favorecer a Organização em que está trabalhando. Não podemos esquecer que ele precisa estar atento às novidades e notícias que envolvem, tanto a sua empresa quanto as concorrentes, para saber o próximo passo a tomar.

Caroline Sire

Fonte: http://biblioteca.universia.net/html_bura/ficha/params/id/25495985.html

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Estratégia OCEANO AZUL

É necessário que a organização seja estratégica para que esta sobreviva ao mercado e acompanhe a globalização. Teorias surgem a cada momento, algumas são inválidas ou não tem o feedback esperado, porém outras tornam-se um sucesso e são adotadas por várias organizações de sucesso.

Um exemplo de teoria bem sucedida é a chamada “Oceano Azul”, cujo criadores são W. Chan Kim e Renée Mauborgne, professores de estratégia e gestão do INSEAD. Estão embasados no que os professores chamam de “Inovação de Valor”, ou seja, reduzir custos (financeiros) e aumentar o valor transmitido para o cliente. A idéia transmitida é mostrar que as mais bem-sucedidas estratégias de inovação não estão em segmentos mais disputados e sim em mercados inexplorados. “A verdadeira inovação está na criação de valores”.

Para ilustrar o conceito surgiu a metáfora do oceano azul, que pode ser amplamente navegado, em oposição aos oceanos vermelhos, nos quais diariamente ocorre uma luta sangrenta por participação de mercado

Empresas de sucessos já adotaram essa teoria e obtiveram ótimos resultados, por exemplo, Kimberly-Clark, a fabricante japonesa dos jogos Nintendo, o Google e até o famoso Cirque di Solei que se diferencia de circos comuns e acrescenta em sua essência pelo fato de não usar animais como parte do espetáculo, tentar atingir outro tipo de público alvo, etc.

Fontes:
http://www.ogerente.com.br/novo/colunas_ler.php?canal=10&canallocal=36&canalsub2=117&id=1430
http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1743/estrategia_oceano_azul_-_blue_ocean_strategy_-_parte_1
http://gecorp.blogspot.com/2009/11/metodologia-do-oceano-azul-aplicada.html
http://estrategia-do-oceano-azul.blogspot.com/2008/04/inovando-com-estratgia-do-oceano-azul.html

Ana Paula Rubio

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Estratégias Eficientes

A comunicação estratégica tem que ser bem planejada antes de ser executada. Vários são os cases sobre este assunto. Ao lermos cases de sucessos analisamos que, apesar de executado com grande eficiência algumas estratégias já são do nosso conhecimento como, por exemplo, sempre beneficiar o cliente e atender suas necessidades. Hoje compartilho com vocês algumas partes de um case de responsabilidade social da instituição Mc Donald´s. Concluimos com este fragmento que pensar no cliente para tomada de decisão é sempre a melhor estratégia.


"Uma população cada vez mais consciente da relação entre sal, gordura na alimentação e saúde, junto a preocupações com o meio ambiente e uma queda nas vendas, estão forçando a McDonald's a olhar de modo diferente o mercado de refeições rápidas que ela dominou durante tantos anos.
A empresa está experimentando um conceito de restaurante para cidades pequenas e abriu o primeiro Golden Arch Café em Hartsville, Termessee, em 1989. 0 fato de não usar o nome da McDonald's dá à empresa mais liberdade para experimentar novas idéias, dizem os administradores. Outro problema é a crescente competição da Pizza Hut, pertencente à Pepsi Co., da Taco Bell e da KFC - Kentucky Fried Chicken, que oferecem menus mais variados. Em resposta, a McDonald's está acelerando a introdução de novos itens no cardápio. Tradicionalmente, ela testava a venda de novos itens do cardápio durante uma média de cinco anos antes de introduzi-los em nível nacional, mas agora está testando alguns itens mais saudáveis, que não contêm hambúrguer, com planos de levar os mais promissores para distribuição em todo o país, o mais rápido possível.
A McDonald's também precisou enfrentar críticas quanto ao conteúdo de gordura em seu cardápio. Em resposta, passou a usar apenas óleo vegetal em suas famosas batatas fritas e reduziu a quantidade de gordura nos hambúrgueres, introduzindo em abril de 1991 o McLean de Luxe, 91 % sem gordura. Reduziu em 30% o sódio em suas panquecas e tirou também o glutamato monossódico de seus Chicken Mc-Nuggets. Como diz Ed Rensi, COO. (Chief Operating Officer) da McDonald's, "Deixamos as condições de mercado, o meio ambiente e nossos clientes nos guiarem estrategicamente."


Fonte: Texto "Caso: Stakeholders do McDonalds"

Ana Paula Rubio

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Um Dia Pela Paz

Como já foi falado um pouco sobre esse projeto que esta sendo organizado pelos estudantes do 3 semestre de Relações Publicas da Universidade Metodista. O evento este ano é contra a violência nas escola e é voltado para os educadores.

Ele será realizado no dia 28 de novembro no Colégio Espírito Santo perto da estação Tatuapé em São Paulo. Não o evento não e aberto, mas qualquer um interessado no trabalho da Associação Palavra Viva pode se informar ou ate se juntar a eles. A cede da Palavra Viva é na liberdade e qualquer ajuda tanto quanto financeira e principalmente física e é bem vinda.

Atualmente a associação deseja mais e mais voluntários pois através deles, e de nos mesmo que sabemos das intenções da Palavra Viva, será possível disseminar a idéia da cultura pela paz para todos que conhecemos. Ajudar ao próximo e uma virtude e de um em um nos podemos mudar o mundo ou pelo menos nosso pais.


Então é isso, se você tem interesse o telefone da Palavra Viva é: 3101 - 1850.

Obrigada


Fonte do texto: aulas de Teoria de Relações Publicas

Camila Ramos


terça-feira, 3 de novembro de 2009

A importância da mídia para as Organizações

Ainda se discute a importância da mídia para as organizações. Há aqueles que acreditam ser essencial caminhar junto a elas, outros acham que é apenas um complemento. Apesar dessa divergência de idéias de alguns profissionais, é rotineiro a aparição de algumas instituições em veículos de comunicação.

Os meios mais comuns são a internet, comerciais, noticiários etc; por isso é importante que o profissional de Relações Públicas esteja sempre atualizado das notícias e acontecimentos, não só de sua organização. Ele precisa estar atento para tomar suas decisões e passos, para não tropeçar em uma notícia divulgada de uma maneira indevida ou até mesmo errada.

Hoje, esses veículos são mais desenvolvidos e rápidos, publicam a todo instante, fazendo com que seus seguidores acompanhem em tempo real o que acontece no mundo todo. É fácil colher informações sobre qualquer assunto, basta pesquisar e milhões de notícias e arquivos irão aparecer.

A cada dia a mídia se torna um instrumento importante para o profissional dessa área, fazendo com que ele dependa cada vez mais dela e assim, usufrua a seu favor. Basta saber usar as palavras certas, na hora e veículo corretos.

Caroline Sire

Fonte: Aulas de Comunicação Organizacional da Universidade Metodista de São Paulo

sábado, 31 de outubro de 2009

A Internet como instrumento estratégico dentro da organização.

A rápida ascensão da internet como mídia de impacto abriu novos caminhos para a comunicação que além de ser mais acessível requer também baixo custo.

A evolução desta trouxe muitos beneficios, em particular para as empresas, pois tornou a comunicação mais simétrica e de mão dupla, aproximando assim os clientes da organização e vice-versa, este meio pode ser chamada de WEB 2.0.

Um Sistema Web de Comunicação é uma ferramenta de comunicação interna (intranet) ou externa, sendo o caráter definido pelo administrador. Os meios de comunicação externa mais procurados para divulgação de seus trabalhos e seus profissionais são blogs corporativos, sites de relacionamento ( exemplo Orkut, Twiter), sites de divulgação de vídeo, como o Youtube, enfim canais em que todos tenham acesso e possam opinar quanto ao material publicado.

Segundo a revista Comunicação Empresarial nº67, estima-se que o País possua hoje cerca de 40 milhões de internautas ativos e mais de 46% dos usuários leiam blogs e acessem comunidades virtuais periodicamente. Para as empresas, a inclusão de internautas como público formador de opinião acompanha esse fenômeno.

Assim como a Web trabalha a favor da organização, esta também pode trabalhar contra. A índole e ética da empresa te que ser discutida antes desta estar ativa na internet, pois cada dia que passa o público está de olhos mais abertos para o que lhe diz respeito e uma vez algo ruim “cai na boca” de um internauta isto se alastra por toda a rede, prejudicando totalmente a organização.

A INTERNET integrada ao ambiente organizacional possibilita agilidade na tomada de decisões, otimização de processos e atividades, além de alavancar a autonomia do colaborador.

Fontes:


http://www.midiasocial.rejuma.org.br/conceituacao/artigos/68-gestao-estrategica-de-comunicacao-organizacional
Revista Comunicação Empresarial. Ano 18- nº67 - 2008


Ana Paula Rubio

domingo, 25 de outubro de 2009
















"O ambiente interno é o nível de ambiente da organização que esta dentro dela e normalmente tem implicação imediata e específica na administração da organização."

O ambiente reflete no ser humano ? Pense em como nos sentimos em determinados lugares, por exemplo, quando se vai a uma biblioteca com seu ambiente calmo, ou quando se está em um shopping center com toda sua decoração e pessoas, em uma boate agitada, em um bar e etc. O ambiente é um importante fator no comportamento do ser humano, se em todos esses lugares citados acima encontramos diferenças claras, dentro da empresa isso seria diferente? Podemos supor que o ambiente de trabalho deve influir no comportamento das pessoas e, por conseguinte influenciar nas relações interpessoais e supostamente nos resultados das empresas em todos os sentidos.

É de conhecimento que o ser humano é fruto do meio em que vive e que é movido por necessidades básicas que os podem motivar ou não, são elas: necessidades fisiológicas como a alimentação, sono, satisfação etc; necessidades psicológicas: como segurança íntima, autoconfiança e afeição; necessidades de auto-realização: como impulso para realizar o próprio potencial, estar em contínuo autodesenvolvimento.
Estas necessidades não satisfeitas também são motivadoras de comportamento, podendo levar a: desorganização de comportamento; agressividade; reações emocionais; alienação e apatia.

"O planejamento estratégico é um sistema que considera a empresa como um todo. E como tal deve considerar todos os seus componentes e partes (subsistemas) visando formar o todo unitário. Portanto, não se podem deixar partes de fora do sistema. E, as vezes temos dificuldade de saber se determinada variável, componente ou item é um ponto forte ou fraco da empresa."

No entento as empresas não levam muito a serio o bem estar e a melhoria do ambiente de trabalho tornando-o prazeroso e mais solto. A Google no entando, pensa por outro lado e tem como uma de suas prioridades o bem estar de seus funcionários e investem alto no quesito ambiente interno, eleito como a melhor empresa para se trabalhar nos EUA, segundo o levantamento “100 Best Companies to Work For”, da revista Fortune em janeiro deste ano.

Fontes:http://www.strategia.com.br/Alunos/2000-2/Analise_Ambiente/Ambiente%20Interno.html

Bruno Evangelista

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Você já fez sua boa ação de hoje?

Olá leitores,

Sempre falamos de engajamento social, inclusive aqui no blog, porém apesar de muito se falar pouco é colocado em prática. Seja por empresas ou até pessoas, fato é que todos estão muito "ocupados" com preocupações típicas do nosso sistema para ajudar alguma causa relevante.
Acredito que toda a experiência em prol de uma causa social seja válida, até mesmo atitudes mínimas como ajudar um velhinho a atravessar a rua.

Como já foi dito, este semestre trabalharemos novamente em parceria com uma ONG e já é possível perceber que todos os alunos estamos engajados. Já foi definido a data e local do evento " Um Dia Pela Paz", será em 28 de novembro, no colégio Espírito Santo na bairro do Tatuapé - São Paulo. Todos os setores da sala estão desenvolvendo suas atividades, a Agência Purple está cuidando da comunicação externa do evento, portanto nossas ações são destinadas ao público do evento.

Apesar deste evento ser focado em educadores a associação Palavra Viva, nossa parceira neste projeto, desenvolve outras ações, inclusive contra a violência, que merecem destaques. A associação não trabalha sozinha, quanto mais pessoas que acreditam na causa colaborarem mais poderemos sonhar por um mundo melhor.

O site da organização é http://www.apv.org.br/ vale a pena entrar e ajudar da maneira que for viável. Afinal ser cidadão é desenvolver seu papel em prol da sociedade.

Ana Paula Rubio

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Relações Públicas: Teoria, Contexto e Relacionamentos

Este livro traz uma visão atual e inovadora das relações públicas mostrando como a profissão e vista hoje em dia e a sua importância que cada vez mais e reconhecida. Como já diz o nome, o livro explica as principais teorias e como as mesmas podem ser aplicadas no contexto das organizações latino-americanas.

Indicado para todos os interessados e relacionados a comunicação tem um ótimo conteúdo para professores, empresários e estudantes da área. E e claro também conta com ótimas referencias pois o livro e escrito por 3 dos maiores estudiosos em relações públicas da atualidade.

Então para se você gosta do assunto não deixe de ler essa obra que vai sim te ajudar e muito no entendimento e aprofundamento em RP.

Por Camila Ramos

Textos utilizados:

http://www.felafacs.org/detalle_publicacion.php?v_idpub=67&rg=

http://abrpsp.wordpress.com/2009/05/07/novo-livro-aborda-a-importancia-das-relacoes-publicas-no-processo-dos-relacionamentos-das-organizacoes/

imagem:

http://3.bp.blogspot.com/_zZQsUSbXkp4/SgNCHF8ReDI/AAAAAAAAACg/-howLFhAbkI/s400/imagem.JPG

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Gestão Participativa: A Âncora da Organização.


Olá, leitores!

Hoje vamos falar um pouco da importância de uma Gestão Participativa dentro da organização.
A Gestão Participativa, como o próprio nome já diz, tem por filosofia manter um nível de participação dentro dos acontecimentos e processos desenvolvidos pela empresa com todos os seus colaboradores, em todos os níveis hierárquicos.
Esse método visa o trabalho em equipe; a criatividade; o sistema aberto (onde as mudanças na concorrência interferem na administração e processos de trabalho); empoderamento, ou seja, as mulheres têm oportunidades de ocupar cargos gerenciais e de diretoria; descentralizado.
A organização que segue essa filosofia busca a motivação de seus colaboradores para que os mesmos sejam capazes de atingir objetivos organizacionais, assim como suas metas e traçar novos objetivos dentro da organização. Essa motivação no trabalho contribui para um melhor desempenho e competitividade nas empresas.
Afinal de contas, essa gestão é vulnerável as mudanças do ambiente, ou seja, esta sempre buscando aprimorar para que esteja sempre a frente da concorrência e que mantenha isso num trabalho em equipe e bem realizado.

Bom, por hoje é só. Espero que tenham gostado do assunto.
Querem saber mais sobre Gestão Participativa e também outras formas de gestão de negócios? Acessem esses links: http://www.sebraesp.com.br/midiateca/publicacoes/artigos/estrategia_empresarial/gestao_participativa
http://br.hsmglobal.com/notas/43568-efici%C3%AAncia-da-gest%C3%A3o-participativa
http://www.rh.com.br/Portal/Mudanca/Artigo/5856/gestao-participativa-uma-nova-realidade.html

Por Catarina Mendes.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Comunicação Organizacional e Instrumentos de Comunicação

Uma boa Comunicação Organizacional requer um bom profissional de Relações Públicas, que trabalhe bem com todos os instrumentos de Comunicação. Ser uma Instituição bem vista, pede a divulgação não só externa, mas também internamente por meio de boletins, murais ou intranet.

Os profissionais utilizam diversos meios, entre eles temos os jornais, comerciais de televisão e rádio, mas hoje o que tem maior visibilidade entre o público é a internet. Essa que mantém as pessoas ligadas em tudo o que ocorre nas empresas. Aqueles que priorizam esse meio tem de estar atentos às informações que são divulgadas, visto que são de forma instantânea.

O maior desafio é equilibrar as informações e notícias boas com as, relativamente, prejudiciais, o Relações Públicas tem de fazê-las favorecer a visão boa dos clientes da Organização. Assim, tendo de relacionar e utilizar o instrumento mais favorável à Instituição.

Caroline Sire

Fontes: Aulas de Comunicação Organizacional

domingo, 18 de outubro de 2009

A organização em prol do planeta

Está nítido que os meios de comunicações trouxeram para a população transparência em relação às organizações.

O cliente está cada vez mais exigente e para que estes confiem no trabalho realizado pelas empresas, além da boa atuação do marketing é necessário que a empresa tenha engajamento social.

Responsabilidade social, sustentabilidade já viraram palavras do dicionário de qualquer organização que se preze. As empresas de TI adotaram recentemente a chamada Tecnologia Verde que consiste em desenvolver novas tecnologias e produtos que não degradam o meio ambiente e colaboram financeiramente para as mesmas.

Para usufruir de recursos naturais sem prejudicar as gerações futuras as organizações precisam inovar na forma de trabalho e, conseqüentemente, atrair seus clientes para que estes fiquem mais seguros e satisfeitos em relação à própria atuação da empresa.

Um pensamento em longo prazo é a chave de sucesso da organização, não apenas visando o lucro, mas nos recursos utilizados para alcançar este, e principalmente em como essa captação de recursos prejudicará seus clientes ou sua geração posterior.





Fontes:

http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/sustentabilidade/conteudo_226382.shtml
http://www.baguete.com.br/artigosDetalhes.php?id=807

Ana Paula Rubio

sábado, 17 de outubro de 2009

O que é Relações Públicas?

Esta pergunta já me foi feita varias vezes. Por isso decidi responde la aqui. O papel do Relações Públicas (RP) é desenvolver a comunicação entre a organização a seus públicos. Especificando mais, o RP trabalha na organização implantando, desenvolvendo e estruturando a comunicação desta com seus públicos que podem ser seus funcionários, clientes, vizinhos e etc. Tudo é feito no intuito de se melhorar a aceitação, visão e satisfação destes públicos com a organização.

No Brasil é necessário que o profissional de RP seja formado em curso superior para exercer a profissão. E muito comum que as organizações tenham pessoas formadas em outras áreas trabalhando como RP. Isso é contra lei e pode trazer problemas para a empresa. Apesar de não ter o merecido reconhecimento o mercado de trabalho para o RP cresce cada dia mais, e com o tempo esperamos que nossas habilidades sejam reconhecidas e que todos entendam que faz muita diferença em uma organização ter um RP na sua equipe de comunicação.

Camila Ramos

Fontes:

http://www.sinprorp.org.br/Relacoes_Publicas/relacoes.htm

http://www.brunoamaral.com/relacoes-publicas/

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Comunicação Organizacional em ONGs

Não há discussão sobre importância das ONGs atualmente, mas ainda é questionado se o departamento de comunicação deles é tão eficaz quanto a de uma Organização privada. As entidades mais evoluídas possuem uma equipe de Comunicação, tão capaz quanto a de qualquer outra.
O fato de algumas delas serem não lucrativas, não impede que a estrutura seja desenvolvida. Muitas pessoas trabalham voluntariamente, em prol da divulgação e conhecimento dos assuntos tratados.
É justamente para tornar evidente as assuntos em pauta, que as ONGs precisam de pessoas interessadas e ativas para que o retorno seja relevante. Por isso eles procuram investir na comunicação organizacional, mantendo-se em evidência entre as grandes, médias e pequenas de seu ramo.

Por Caroline Sire

Fonte: http://www.comtexto.com.br/2convicomcctsDinahMenezes.htm

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Barreiras na Comunicação Organizacional

Para ficarmos cientes de como funiona o processo de comunicação, temos que entender de ínicio os elementos que a compoem, eles foram identificados em sete, a saber: comunicador, codificação, mensagem, meio, decodificação, receptor e feedback. Como indenficar quando um desses elementos não está de acordo com o contexto em geral?


As barreiras na comunicação organizacional afetam os resultados da empresa e dificultam a harmonia dentro da mesma, básicamente essas interferências na comunicação são 4: pessoais, administrativas/burocráticas, excesso de informações e as informações incompletas e/ou parciais.

- Pessoais: Dentro da organização, os públicos podem ajudar ou dificultar a comunicação, levando em conta a personalidade de cada indivíduo e seu emocional, cada um tem sua maneira de agir diante de determinada situação.

- Administrativas/Burocráticas: Dificuldades com as relações de poder, autoridade de status e posse das informações, distância física, a especialização das funções-tarefas. A forma com que a organização atua e processa suas informações.

- Excesso de Informações: Uma das barreiras mais presentes nas organizações, a falta de seleção nas informações acaba sobrecarregando os públicos, que recebem em excesso informativos, reuniões, etc e não assimilam com eficacia toda esse informação dada a eles, causando uma instabilidade na comunicação.

- Informações Incompletas e/ou Parciais: São as informações que chegam aos públicos sem clareza, incompletas ou não tem um claro entendimento e geram dúvidas para seus receptores.



Bruno Evangelista

domingo, 11 de outubro de 2009

Cliente interno motivado é cliente externo satisfeito.


Olá, hoje vou falar um pouco sobre a importância de um cliente interno motivado e como essa motivação esta ligada com o seu cliente externo. As empresas sabem da importância do cliente externo para levar os seus negócios à frente, mas será que é dada à mesma importância aos clientes internos?
Os colaboradores da organização precisam estar realmente motivados, satisfeitos e com uma qualidade de vida profissional em alta e é importante que ele seja sempre escutado. A falta de ‘suporte’ ao nosso cliente interno, causa desmotivação e queda na produção, interferindo assim a maneira como ele trata os clientes externos, que são julgados como os mais importantes de uma organização.

Vamos exemplificar: quando o cliente interno precisa resolver problemas como pagamento realizado de maneira incorreta e o profissional do Departamento Pessoal deixa de ajudá-lo, ele retorna a linha de frente de trabalho, mas completamente sem foco e começa a reclamar da empresa para outros clientes internos, que começam a perder o foco mais uma vez de seu trabalho, enquanto isso vemos o primeiro cliente interno dado como exemplo, atendendo um cliente externo e, desmotivado, começa a retrucar as coisas que o cliente diz, o cliente externo causa uma situação completamente vergonhosa para a empresa, afinal de contas, as pessoas que assistem esse bate-boca notam que a empresa esta sem credibilidade com seus clientes e pensando somente em números e valores. É importante que os diretores, gerentes e supervisores escutem os seus colaboradores, pois quando ele esta insatisfeito, o nosso cliente externo também sai insatisfeito, causando assim uma queda na imagem empresarial.

Quando o colaborador sente que possui um espaço na empresa e que suas sugestões, dúvidas e também reclamações servem para melhorar cada dia mais a sua rotina profissional, ele se sente cada vez mais ‘dentro’ da empresa.

Existem alguns livros que abordam o assunto, caso se interessem: http://compare.buscape.com.br/ouvindo-a-voz-do-cliente-interno-transforme-seu-funcionario-num-parceiro-3ed-barcante-luiz-cesar-8573032014.html

Fontes: http://www.via6.com/topico.php?tid=15873

Catarina Mendes.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Câmara dos Deputados no Twitter

E ate nossos deputados se renderam a nova moda. Nesta quinta-feira (8/10) foi lançada a pagina oficial da Câmara dos Deputados no Twitter. O espaço servira para divulgação de assuntos da Câmara como votações, eventos e programas institucionais.
Não é de hoje que a importância e popularidade dos meios de comunicação da internet, como o Twitter e os blogs, são utilizados por políticos. Dos 513 deputados 170 tem paginas no microblog. A utilização desse meio já provou ter suas vantagens, tanto para o governo como para empresas. Sites como o de São Paulo que trazem os últimos acontecimentos e obras feitas pela prefeitura não são difíceis de achar.
A era da internet esta com certeza provando sua importância dragando cada vez mais públicos a sua rede. Com milhares de pessoas conectadas todos os dias pelos sites de relacionamento a Câmara estar no Twitter nada mais e do que um modo de se comunicar e estar mais perto de seu publico mantendo informado e integrado do que esta acontecendo na Câmara dos Deputados.

Se alguém quiser conferir, o link e esse
http://twitter.com/CamaraDeputados

Camila Ramos

Texto utilizado:
http://www.abril.com.br/noticias/brasil/camara-deputados-cria-perfil-oficial-twitter-504386.shtml

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Endomarketing

O Endomarketing é uma atividade batizada em 1990 por Saul Bekin em seu livro "Fundamentos do Endomarketing". “Endo”, originário do grego, significa posição ou ação no interior, ou seja, “movimento para dentro”. Portanto, Endomarketing é um conjunto de ações de marketing institucional dirigidas para o público interno (colaboradores, fornecedores, acionistas, vendedores, clientes).

Sua principal função é disseminar aos funcionários a noção de cliente para melhorar a qualidade dos produtos e serviços da empresa. Isto significa tornar o colaborador um aliado, promovendo a idéia de que seu sucesso está ligado ao sucesso da empresa, dando aos empregados mais liberdades para expor suas idéias e conhecer a empresa, sempre com o principal foco no cliente.

O grande desafio do Endomarketing é proporcionar aos empregados uma condição de aplicação de valores como: trans
parência, empatia, afetividade, comprometimento e cooperação, transformando esses valores em crescimento e desenvolvimento destes, e conseqüentemente, em ganhos de produtividade.

O principal benefício que se busca é o fortalecimento e construção de relacionamentos, compartilhando os objetivos da empresa e forta
lecendo estas relações, inserindo a noção de que todos são clientes de todos também dentro da empresas.

Fontes:
http://pedroaparicio.blogs.sapo.pt/1714.html
http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos/Endomarketing.htm
http://www.endomarketing.com/artigo11.htm
http://www.endomarketing.com/endomarketing.html

Ana Paula Rubio

domingo, 4 de outubro de 2009

Escola de Montreal

"Escola de Montreal" foi criada na Universidade de Montreal (Quebec, Canadá) e tem o professor James Renwick Taylor como fundador e um dos membros mais comprometidos do grupo. Em 1980 com base nas aparentes mudanças da opinião publica surgiu o conceito da "Escola de Montreal".

Este conceito e que tudo se resume a comunicação. Bem isso quer dizer que todo tipo de relacionamento parte da comunicação seja com o cliente, funcionário ou chefe ela e a base de uma organização. Assim sendo, sem a comunicação não a organização, bem não a nada, e sem as pessoas não a comunicação. Isso nos leva a estudar e prestar muito atenção há aquelas constantes mudanças na opinião publica, pois elas podem afetar a organização de mil maneiras

Resumindo "Escola de Montreal" e o estudo da organização através da comunicação, no Brasil essa teoria e muito rara ainda, mas com certeza sua eficácia logo será provada e assim ganhara a atenção não só do Brasil mais do mundo.

Camila Ramos

Pesquisado em:
http://acompasso.blogspot.com/2009/05/o-pensamento-da-escola-de-montreal.html
http://www.usp.br/prolam/montreal.htm

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Evento Um Dia Pela Paz


Neste semestre a universidade propôs um desafio para nós alunos do 3° semestre de Relações Públicas. A sala se tornará uma agência, divida em cinco departamentos, e juntamente com a Associação Palavra Viva realizaremos um evento chamado “Um Dia Pela Paz”.

A Associação Palavra Viva (APV) é uma entidade sem fins lucrativos, de caráter educacional, fundada por diversas Congregações Religiosas em 14 de janeiro de 1993 com a Missão de Evangelizar pelos Meios de Comunicação

O evento Um dia Pela Paz consiste em reunir educadores e membros de destaque da sociedade para uma discussão sobre o tema, e tem como intuito mobilizar as crianças em prol da paz e fazer com elas sejam as disseminadoras deste alicerce da humanidade.

O evento é só uma vertente de todo um programa criado para o combate da violência. Este foi iniciado depois das tragédias acontecidas em São Paulo em maio de 2006, quando a cidade parou por causa dos bandidos e suas rebeliões. A APV sentiu-se na obrigação de fazer algo para salvar o planeta e desde então segue com o projeto.

Nós alunos já tomamos conhecimento de quão é importante esta causa. Estamos empenhados a fazer o melhor para que este evento mobilize não só o público alvo, mas sim todos aqueles que querem fazer algo mais pelo universo.

Ao decorrer das semanas postaremos mais detalhes sobre a organização e o evento. Fiquem atentos.

Fontes:
http://www.apv.org.br/


Ana Paula Rubio

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Ensinando a pescar

A responsabilidade social ganhou espaço no Brasil no final da década de 80, fatores como a globalização, que trouxe mudanças consideráveis ao cenário empresarial, criando uma nova reorganização do capital e um crescente aumento na competitividade mundial, junto com a degradação do meio ambiente e o aumento da pobreza, provocaram um repensar na postura ética das empresas frente à sociedade. 

Mais que uma postura visada pelo público, a responsabilidade social é uma filosofia organizacional, possui uma cadeia de valor e um comprometimento ético. Ajuda a manter um bom conceito na organização, ajuda uma comunidade a ter uma vida prospera e a geri-la melhor. Mas será que as empresas entendem e aplicam esses princípios como sendo responsabilidade social?
Trago como exemplo a THE BODY SHOP, que com sua criadora Anita Roddick, mostra a importância da responsabilidade social e o beneficio que ela traz a quem realmente se dedica a uma boa causa.

"A THE BODY SHOP foi criada em 1976 por Anita Roddick, filha de uma família de imigrantes judeus italianos, e seu marido, Gordon, que entraria na sociedade no ano seguinte, com um investimento inicial de US$ 6.500. Ela teve a idéia de vender cremes e loções para o rosto e corpo em pequenas embalagens. Usou pequenos frascos de plástico, desses utilizados para coletar urina, comprados de um hospital local, etiquetou-os e assim lançou modestamente 25 produtos. Além de usar receitas caseiras da mã
e, experimentou uma receita da atriz Julie Christie, que batia alface cozida com abacate para passar no rosto; e outra de Marlene Dietrich, cinzas de velas como sombra para os olhos. Para cabelos e pele, testou produtos com polvilho, azeite balsâmico, cânhamo e castanhas. Exatamente às 9:00 horas do dia 26 de março, a primeira loja da rede, que era minúscula e possuía um ar hippie, abria suas portas no número 22 da Kensington Gardens em Brighton no sul da Inglaterra, para vender produtos de beleza naturais. A cor verde, pelo qual a marca é identificada pelos seus consumidores, foi adotada para decorar a primeira loja por falta de opções, e acabou se tornando um símbolo da marca. O logotipo original e os rótulos dos produtos foram criados pelo estudante de arte Jeff Harris, que recebeu cerca de £20 pelo trabalho. A segunda loja foi aberta cerca de seis meses depois.


A THE BODY SHOP  inovou na forma de se relacionar comercialmente com as comunidades fornecedoras, unindo o uso de matérias-primas com o desenvolvimento sustentável. Há 15 anos a empresa usa o óleo de castanha-do-Pará produzido pelos índios Caiapós da Amazônia, além de comprar óleo de gergelim de fazendeiros de Chiapas, no México. A empresa trabalha, de forma sustentável, com 400 produtos, feitos a partir de matérias-primas adquiridas de 37 cooperativas de comunidade de 24 países em desenvolvimento. Outra ação que merece destaque teve início em 2002 quando a empresa começou a investir em energias renováveis e utilizar materiais reciclados nas embalagens de seus produtos.


Em sua primeira visita ao Brasil, em 1984, Anita foi convidada pelos índios Caiapós para visitar uma reserva florestal em Altamira estado do Pará. Apaixonou-se pela comunidade e resolveu criar alternativas econômicas para que os índios não precisassem viver do corte de madeira. Resolveu então transformá-los em fornecedores de matérias-primas utilizadas na confecção de produtos de beleza da rede, criando, em 1987, o programa Trade Not Aid, voltado para o comércio justo com pequenas comunidades fornecedoras de matéria-prima natural. A THE BODY SHOP chegou a ter parcerias com 37 comunidades no mundo, estimulando a utilização de óleo de gergelim da Nicarágua, manteiga de cacau de Gana, juta de Bangladesh, e castanhas dos Caiapós brasileiros. Seu envolvimento com as questões ambientais e sociais tiveram início em 1985 quando a THE BODY SHOP patrocinou pôsteres e campanhas do grupo ambientalista Greenpeace. "


O trabalho de responsabilidade social feito pela THE BODY SHOP, entra no conceito de uma filosofia ornanizacional e possui uma cadeia de valor. Mais do que aliar seus interesses com as comunidades que fornecem seus produtos, literalmente, Anita Roddick as "ensinou a pescar", as tornando auto-sustentáveis a partir dos produtos que forneciam. Infelizmente sabemos que essa não é a realidade para a maioria das empresas, que vêem a responsabilidade social apenas como uma obrigação e um abatimento de seus impostos. Espero que, no futuro, esta seja uma atitude afirmativa mais comum. No momento em que a sociedade aprender a dizer não às empresas que tenham apenas responsabilidades discursivas, elas imediatamente serão mais comprometidas com a sociedade ou não irão sobreviver em um mercado competitivo. 


Por Bruno Evangelista
Fontes: http://www.fiec.org.br/artigos/social/responsabilidade_social_empresarial.htm
http://www.sdr.com.br/HistoriasdasMarcas/112.htm
http://www.thebodyshop-usa.com/

terça-feira, 29 de setembro de 2009

A Cultura Organizacional.


A cultura organizacional nada mais é do que um conjunto de crenças e hábitos que são passados através das normas e valores compartilhados em uma organização. É ela quem diferencia uma organização da outra, referindo-se a informações e significados compartilhados com todos os colaboradores, de todos os níveis hierárquicos, condicionando a administração organizacional e contribuindo para o seu desenvolvimento.
Podemos dizer então, que a cultura organizacional refere-se ao comportamento dos membros de uma organização e a maneira que é realizada a administração e operação do local. Essa cultura pode passar por certas alterações conforme o desenvolvimento tecnológico e social (globalização) de um determinado território.
Sendo assim, a cultura organizacional bem alinhada com as ações realizadas transmite maior credibilidade e qualidade de serviços, quando bem elaborada.
Por Catarina Mendes.
Fonte:

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Comunicação Organizacional e o Ambiente de Trabalho

A Comunicação Organizacional é um instrumento para construir um ambiente de trabalho harmonioso na questão interna e externa, onde fica fácil aprender, educando os funcionários para sempre motivar o bom relacionamento. O Profissional dessa área é responsável pela Assessoria da empresa. É importante que toda organização tenha um departamento que cuide de sua relação externa, mantendo a sua imagem positiva.

A comunicação interna mantém a empresa em sintonia com aqueles que trabalham para que ela esteja sempre no topo. Se a comunicação for bem administrada, mantém a empresa leve e em destaque no mercado. Sabemos que o desenvolvimento humano deve-se a transmissão de suas idéias pelas palavras escritas ou faladas.

Devemos atentar a importância da transparência entre a organização e seus empregados. Assim, o funcionamento de todos os setores se mantém constante e bem entendidos entre si. A Comunicação Organizacional se baseia nos quesitos do mercado, matérias primas desejadas, troca de informações e balanços de sua produção.

A comunicação, como um todo sempre para organizar, não só as informações, mas a disposição das pessoas que trabalham por ela e para ela. Um bom profissional da área, sempre preza pela opinião sobre seus projetos, coletando dados por pesquisas. Construindo um ambiente mais organizado e transparente.
Caroline Sire
Fonte:

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Comunicação Administrativa

Apesar de comunicação administrativa estar ligada ao público interno ela se difere do que chamamos de comunicação interna.

Neste tipo de comunicação organizacional o foco está no conhecimento sobre a gestão administrativa da organização e na disciplina de seus funcionários em prol da boa operacionalidade da empresa.

A comunicação administrativa acontece por meio do processo comunicativo e está mais voltada ao setor de recursos humanos, uma vez que está é baseada em regras e leis. Alguns instrumentos utilizados por esta é a comunicação escrita, oral, audiovisual, quadro de avisos e murais.

Porém na prática a esta comunicação não se preocupa em explicar ou entender o funcionário, estes ficam na dependência da decisão de superiores e realizam suas tarefas sem ao menos entender as razões que deveriam levá-los a um desempenho melhor e maior.

As empresas podem criar um programa de aperfeiçoamento de suas comunicações administrativas direcionado ao uso de novas tecnologias, a separar as massas informativas de acordo com seu público-alvo, a uniformizar o conhecimento, a disponibilizar sistema de fontes e gestores, fazendo com que assim os funcionários trabalhem pró ativamente na empresa, aumentando sua produtividade e qualidade de serviço.


Fontes:
http://www2.metodista.br/agenciarp/glossario_comunicacaoadministrativa.htm http://www.gtmarketing.com.br/aperfeicoamento.htm
http://portal.cjf.jus.br/cjf/banco-de-conteudos/workshop-comunicacao-institucional-na-sociedade-da/at_download/upload

Por Ana Paula Rubio

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial seria o comprometimento empresarial com a ética e sua ajuda pra o desenvolvimento econômico e a melhoria da qualidade de vida, não só de seus empregados, mas de todos aqueles que são afetados por suas ações. Para isso é necessário da empresa sua total honestidade para com os seus públicos. Há também a necessidade de se ter participação em projetos voltados ao meio ambiente e contra a desigualdade e discriminação. É claro que uma parte importante da responsabilidade social empresarial é a melhoria da qualidade de vida profissional e social. Mas infelizmente ainda deixamos a desejar nesse ponto. Não por ser algo impossível, certas medidas como plano de saúde e cursos profissionalização fazem parte desse processo e não são muito difíceis de se fazer. A realização de um projeto de responsabilidade empresarial é um bom negócio para empresa e para os funcionários, ele pode aderir novos princípios ambientais e sociais a todos os envolvidos no projeto. Nas ultimas décadas a responsabilidade social empresarial vem ganhado espaço e reconhecimento. No Brasil a função social das empresas esteve em destaque com a criação da Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresa (ADCE) nos anos 70. Mas o real conceito de responsabilidade social só veio no fim dos anos 80 e seu reconhecimento foi entre 1990 e 2003. Baseando-se no contexto de responsabilidade social empresarial surgem as organizações empresariais tais como: GIFE, ETHOS e EBASE. O conceito ainda esta sendo formado e muitas mudanças ainda irão surgir nessa área, mas esperamos que todas elas sejam para melhor, levando as organizações, empresas e seus parceiros a um acordo que traga benefícios a todos.

Textos utilizados para pesquisa: O Que é Responsabilidade Social Empresarial? Maria do Carmo Aguiar da Cunha Silveira Coordenadora do Núcleo de Assessoria Técnica do SESI-CE http://www.fiec.org.br/artigos/social/responsabilidade_social_empresarial.htm A Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento Sustentável Refer: INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL. MATTAR, H., Os Novos Desafios da Responsabilidade Social Empresarial, Ethos, São Paulo, 2001. Amélia Hamze Profª Centro Universitário da FEB/ CETEC http://www.educador.brasilescola.com/politica-educacional/a-responsabilidade-social-empresarial.htm

Por Camila Ramos

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Comunicação Organizacional nos dias de hoje.

Nos anos 90, as empresas e o mercado de trabalho sofreram diversas alterações em decorrência de mudanças políticas, econômicas e sociais no mundo. Vendo surgir ao seu redor, públicos que não se satisfazem apenas com produtos e serviços, mais se vêem com uma necessidade de dialogo. É importante então a implantação de filosofias que trazem a integração dessas ações organizacionais tendo assim acesso a mercados mais complexos.

Nesse mesmo período, o mundo passa pela globalização da economia, exigindo cada vez mais competividade, responsabilidade social, ambiental e eficiência na produção, forçando assim uma mudança no contexto da comunicação organizacional que carecia em suporte para tais mudanças.
Seguindo a globalização, hoje em dia, os públicos tendem a optar sempre por uma empresa que passe "transparência" em suas ações, fazendo com que aumentem o número de profissionais especializados em comunicação capazes de fazer as mediações entre os diferentes públicos.

É importante que esse profissional se adapte a essas novas necessidades de mercado, que possua uma base teórica, conheça o mapa geral da profissão, enxergando diferentes perspectivas e tendo total conhecimento do ambiente social da empresa para assim poder efetuar um trabalho significativo. A comunicação organizacional se mostra cada vez mais estratégica e detalhada, visando a estrutura e resultados significativos a um longo prazo, do que apenas soluções rápidas e gerênciamento de crises. 

Fonte: http://www.agronline.com.br/artigos/artigo.php?id=93&pg=1&n=2

Por Bruno Evangelista 

terça-feira, 22 de setembro de 2009

A Era da Comunicação Organizacional.



A comunicação organizacional tem como intuito criar uma harmonia entre a comunicação interna e externa em cima de valores corporativos, tornando um ambiente de maior motivação.


A comunicação interna é responsável pela circulação de informações na organização, ou seja, manter todos os colaboradores informados de tudo que acontece dentro da empresa. Tendo como visão de que os funcionários são parceiros e quanto maior e melhor direcionada as informações sobre à corporação que prestam serviço, maior será o seu envolvimento com o trabalho desenvolvido, tornando-os mais motivados e incorporados na cultura organizacional (missão e valores).
Para que esta comunicação seja realizada de maneira excelente não bastam ferramentas de alto avanço tecnológico se falta à capacidade de construção das relações de trabalho, interesses integrados e produtividade.

Mas não devemos esquecer que o excesso de informação, devido à globalização, muitas vezes atrapalha o processo comunicacional, pois toda a informação direcionada de maneira errata podem causar grandes impactos e conflitos de idéias nos parceiros. Por isso, a presença de um profissional na área de Comunicação na organização se mostra indispensável, pois ele esta formado para analisar e diagnosticar qual o verdadeiro público a receber tais informações.




Outra forma de analisar a importância da comunicação interna que interfere na externa, é reconhecer que o funcionário é o melhor propagandista da organização em que trabalha, mostrando assim que funcionários desmotivados, descontentes e mal informados podem levar falsas informações da empresa causando certos prejuízos que só um redesenho comunicacional pode reverter. Afinal de contas o boca a boca é a melhor propaganda de uma instituição e tudo aquilo que seus parceiros e clientes tomam como verdade causam sim grandes impactos nos negócios.
Entrando assim na comunicação externa em que as empresas buscam cada vez mais se comunicar com seus públicos devido ao mercado competitivo que se estabelece sempre mais forte. Então é importante que a comunicação organizacional traga realmente a sintonia entre a comunicação interna e externa voltado a importância de ser realizado por um profissional de Comunicação, pois como disse José Cerqueira Filho, comunicação não é analgésico.



Por Catarina Mendes
Fontes consultadas:
José Cerqueira Filho, Comunicação Não é Analgésico, Revista Comunicação Empresarial
GIVANNINI, Giovanni. Evolução na Comunicação. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1998

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Este Blog é um projeto da Agência Purple, alunos do 3º semestre de Relações Públicas da Universidade Metodista de São Paulo, e tem como finalidade transmitir informações gerais, mas com ênfase em Comunicação Organizacional. Procuramos manter todas as pessoas informadas, desde os entendedores de comunicação até os leigos. Nosso objetivo é mostrar um pouco do que é e como é a Comunicação dentro de Organizações.

Apertem os cintos e embarquem nessa viagem sobre a Comunicação e suas vertentes.